Make your own free website on Tripod.com
PROGRAMA IV

ROTEIRO 7

CRIAÇÃO DIVINA
PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Esclarecer a respeito da diversidade das raças humanas
Justificar a afirmativa: "1...) Uma mesma família humana foi criada na universalidade dos mundos e os laços de uma fraternidade que ainda não sabeis apreciar foram postos a esses mundos (...)(06)

IDÉIAS PRINCIPAIS
A diversidade das rasas explica que "(...) não é admissível a doutrina segundo a qual todo gênero humano procede de uma individualidade única. (...)'~5)
"De acordo com o ensino dos Espíritos, foi uma dessas grandes imigrações, ou, se quiserem, uma dessas colônias de espíritos, vinda de outra esfera, que deu origem a raça simbolizada na pessoa de Adão e, por essa razão mesma, chamada raça adâmica (...)." (4)
"(...) Se os astros que se harmonizam em seus vastos sistemas são habitados por inteligências, não o são por seres desconhecidos uns dos outros, mas, ao contrário, por seres que trazem marcado na fronte o mesmo destino, que se hão de encontrar temporariamente, segundo suas funções de vida, e encontrar de novo, segundo suas mútuas simpatias. É a grande família dos Espíritos que povoam as terras celestes (...) "

FONTES DE CONSULTA.

BÁSICAS

01 - KARDEC, Allan. Da Criação. In: O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 57 ed. Rio de Janeiro. FEB. 1983. Parte Questão 50, p. 67
02 - Op. cit., questão 53, pag. 68
03 - Gênese Espiritual. In: A Gênese Trad. de Guillon Ribeiro. 24 ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. Item 37, p 226
04 - Op. cit. Item 38, pag. 226227
05 - Op. cit. Item 39, pag. 227
06 - Uranografia Geral. Id: A Gênese Trad. de Guillon Ribeiro. 24 ed. Rio de Janeiro FEB, 1982 . Item 56, pag. 136

PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

Ao lado da idéia básica da existência de Deus, como inteligência Suprema e causa primaria de tudo o que existe; da alma humana, como essência do ser pensante, independente e autônoma; da sua preexistência ao corpo físico, criada que foi por Deus simplesmente como Espirito, o qual só posteriormente se une à matéria, tornando-se, então, um Espirito encarnado; da sua sobrevivência à morte física voltando ao plano espiritual donde viera, ali permanecendo por tempo mais ou menos longo, ate a nova encarnação; da pluralidade das existências corporais em virtude da necessidade da reencarnação para os Espíritos errantes; da pureza espiritual e da perfeição, como alvos supremos a atingir pelos Espíritos em sua marcha ascensional, quando, uma vez após atingidas, eles não mais encarnarão; ao lado desses princípios básicos do Espiritismo, encontra-se também o da pluralidade dos mundos habitados.
Na obra da Criação Divina, entre os mundos destinados à encarnação de Espíritos em estágios probatório e expiatório, encontra se a Terra, como uma das habitações do homem. Sim dizemos uma das habitações, porque muitos outros mundos existem que abrigam humanidades semelhantes à nossa, não sendo o homem terreno o único ser corpóreo dotado de inteligência, racionalidade e senso moral, no universo imenso. Homem e todo ser que assume em qualquer mundo dupla natureza: corporal e espiritual, isto é, tem corpo e tem alma. Pelo corpo, em qualquer mundo, o homem é transitório, participando da natureza dos outros seres vivos, que são mortais nascem, crescem, desenvolvem-se, reproduzem e, envelhecem e morrem, mas pelo Espirito e imortal e eterno, progride sempre, aproximando-se cada vez mais da perfeição, que e o seu alvo supremo na escala dos seres e dos mundos.
Criado por Deus simples e ignorante, dotado de liberdade e livre-arbítrio, inclinado tanto ao bem quanto ao mal falível por tanto, sujeita-se o Espirito a encarnar e a reencarnar, realizando múltiplas existências corporais na Terra ou em outros mundos, tantas quantas necessárias para ultimar sua depuração e seu progresso. Esse processo admirável que obedece a um desígnio providencial de Deus, realiza-se através das emigrações e imigrações de Espíritos, isto e, da alternância sucessiva e múltipla das existências humanas nos dois planos da vida: o corpóreo e o espiritual. Todo espírito encarnado, enquanto o corpo vive, está fixado no mundo em que encarnou. Desencarnado, pela morte do corpo, ele passa à condição de Espirito errante, que é exatamente aquele ainda necessitado de reencarnar, para depurar-se e progredir. No estado de erraticidade o Espirito ainda pertence ao mundo onde tem de encarnar, mas não esta a ele fixado pelo corpo, é mais livre e pode até mesmo visitar outros mundos, com a finalidade de instruir-se. Pois bem, essas emigrações e imigrações de Espíritos podem ocorrer também entre mundos diferentes, isto é, podem os Espíritos emigrar de uns para outros mundos. Alguns emigram por força do progresso intelectual e moral realizado, que os habilita a ingressar em um mundo mais adiantado, o que é um prêmio para eles; outros; ao contrário, são banidos do mundo a que pertencem, por não terem acompanhado o progresso moral atingido pela humanidade desse mundo, onde, se ali permanecessem, constituiriam elementos de perturbação e de desordem social, neste caso e um verdadeiro castigo. que a lei de justiça impõe aos recalcitrantes no mal, escravizados ao orgulho e à sensualidade. Os Espíritos que emigram de um mundo para outro vão primeiro para o plano espiritual do novo mundo, permanecendo algum tempo na erraticidade, posteriormente imergido na corporalidade, dentro das condições e das leis próprias à Natureza do mundo para onde foram emigrados
O que acabamos de ver ajuda a compreender e a melhor explicar a diversidade das raças humanas e sobretudo a existência na Terra de uma raça superior 9 se considerada em relação às outras aqui existentes, algumas manifestando ainda notória inferioridade. Seria essa raça a branca constituída de homens representando a reencarnação de Espíritos emigrados de um planeta pertencente ao sistema de Capela, uma estrela 5.800 vezes maior que o nosso sol. Tendo atingido es se mundo e a sua humanidade um estagio de progresso condizente com o de um mundo regenerado e mais feliz' mas permanecendo nele, entretanto, uma legião de Espíritos ainda recalcitrantes no orgulho e outros sérios defeitos morais, tiveram eles de ser banidos daquele mundo regenerado e encaminhados para a Terra, onde vieram fazer parte do rebanho de Jesus. Aqui, então, mais adiantados que os habitantes pertencentes às raças autóctones ou indígenas, sobretudo intelectualmente vieram impulsionar o progresso dessas raças , mesclando-se a elas e expandindo suas culturas por todos os recantos da Terra. Seriam os homens resultantes da encarnação desses Espíritos no nosso mundo os legítimos descendentes de Adão (Haadam), tido como o primeiro homem, migrada, que deu origem, isso sim, a uma rasa bem mais evoluída e superior às outras aqui preexistentes. Pode falar-se, então, numa raça adâmica, cujos representantes, todos brancos, formaram os grupos de povos mais evoluídos da Terra: os arianos ou indo-europeus, os egípcios, os israelitas e os indianos. Fica, assim, mais bem compreendida a significação de Adão na origem da humanidade, bem como a narrativa bíblica da sua expulsão do Paraíso a lenda do Paraíso Perdido como sendo em realidade o banimento daquela legião de Espíritos de um mundo que, comparado à Terra, para onde foram banidos, podia considerar-se mesmo um paraíso.
Em "A Caminho da Luz " , o Espirito Emmanuel dá informações muito interessantes e valiosas sobre esse assunto. O capitulo terceiro dessa obra trata exatamente de "As raças adâmicas" O Sistema de Capela. Na impossibilidade de transcrever os respectivos textos, enviamos o leitor desta síntese a esse capítulo, e aos quatro seguintes, desse livro utilíssimo.
Mas, e Kardec? Háem suas obras algo que se relacione com as afirmativas precedentes e as confirme? Sim, tudo isso está em "O Livro dos Espíritos " e, sobretudo em "A Gênese ". Transcreveremos apenas os trechos mais significativos, deixando ao leitor o cuidado de fazer nessas duas obras as suas próprias pesquisas: "A espécie humana começou por um único homem? Não; aquele a quem chamais Adão não foi o primeiro, nem o único a povoar a Terra". (1) "O homem surgiu em muitos pontos do globo? Sim e em épocas varias, o que também constitui uma das causas da diversidade das raças. Depois, dispersando-se os homens por climas diversos e aliando-se os de uma aos de outra raça, novos tipos se formaram.
Em A Gênese, depois de dizer que a " (...) transfusão, que se efetua entre a população encarnada e desencarnada de um planeta, igualmente se efetua entre os mundos, quer individualmente, nas condições normais, quer por massas, em circunstancias especiais (...)", havendo, pois, "(...) emigrações e imigrações coletivas de um mundo para outro, donde resulta a introdução, na população de um deles, de elementos inteiramente novos (...)" (3) Depois disso Kardec faz clara referência à raça adâmica no item 38 do capitulo 11: "De acordo com o ensino dos Espíritos, foi uma dessas grandes imigrações, ou se quiserem, uma dessas Colônias de Espíritos, vinda de outra esfera, que deu origem à raça simbolizada na pessoa de Adão e, por essa razão mesma, chamada raça adâmica . Quando ela aqui chegou, a Terra já estava povoada desde tempos imemoriais, como a América, quando aí chegaram os europeus
Mais adiantada do que as que a tinham precedido neste planeta, a rasa adâmica e, com efeito, a mais inteligente, a que impele ao progresso todas as outras. A Gênese no-la mostra, desde os seus primórdios, industriosa, apta às artes e as ciências, sem haver passado aqui pela infância espiritual, o que não se dá com as raças primitivas, mas concorda com a opinião de que ela se compunha de Espíritos que já tinham progredido bastante. Tudo prova que a raça adâmica não e antiga na Terra e nada se opõe a que seja considerada como habitando este globo desde apenas alguns milhares de anos, o que não estaria em contradição nem com os fatos geológicos, nem com as observações antropológicas, antes tenderia a confirmá-las" (4)