Make your own free website on Tripod.com
PROGRAMA IV

ROTEIRO 10

OS ESPÍRITOS
PROGRESSÃO DOS ESPÍRITOS (1ª)

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Explicar como os Espíritos, criados simples e ignorantes, poderão chegar a perfeição espiritual.
Ressaltar a importância do trabalho na progressão dos Espíritos. -

IDÉIAS PRINCIPAIS
. "(...) Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes, isto e, sem saber. A cada um deu determinada missão, com o fim de esclarece-los e de os fazer chegar progressivamente À perfeição, pelo conhecimento da verdade, para aproximá-los de si. Nesta perfeição e que eles encontram a pura e eterna felicidade. Passando pelas provas que Deus lhes impõe e que os Espíritos adquirem aquele conhecimento. (...)" (3)
. "(...) As almas ou Espíritos são criados simples e ignorantes, isto e, sem conhecimentos nem consciência do bem e do mel, porem, aptos para adquirir o que lhes falta. O trabalho e o meio de aquisição, e o fim que é a perfeição - é para todos 0 mesmo. Conseguem-no mais ou menos prontamente em virtude do livre-arbítrio e na razão direta dos seus esforços todos tem os mesmos degraus a franquear, o mesmo trabalho a concluir. (...)" (1)
. "(...) São os próprios Espíritos que se melhoram e, melhorando-se, passam de uma ordem inferior para outra mais elevada." (2)
"(...) O livre-arbítrio se desenvolve à medida que o Espirito adquire a consciência de si mesmo. (...) (4)

FONTES DE CONSULTA

BÁSICAS
01 - KARDEC, Allan. Os anjos. In: O Céu e o Inferno. Trad. de Manuel Justiniano Quintão. 29. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. Parte 1ª. Item 12, p. 112 - 113.
02 - Dos Espíritos. In: - . O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 57. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1953. Parte 2ª. Item 114, p. 95.
03 - Op. cit., questão 115, p. 95-96.
04 - Op. cit., questão 122, p. 97-98.

ESCALA ESPÍRITA E PROGRESSÃO DOS ESPÍRITOS (1ª)

Todos os Espíritos que povoam o Universo foram criados por Deus, simples e ignorantes, sem nenhum conhecimento e são destinados à perfeição. É nesse estado de perfeição que eles encontram a pura e eterna felicidade, decorrente do pleno conhecimento das leis que regem a vida e de sua plena vivência.
Entre estes dois extremos, a criação e a desatinação, existe um caminho que cabe a todos os Espíritos trilhar e que representa a conquista gradativa desses conhecimentos. Deus propicia ~ todos os meios necessários para essa conquista, criando, inclusive, necessidades aos Espíritos que, para atendê-las, precisam agir. através dessa ação que os Espíritos progridem, conquistam os conhecimentos e desenvolvem os sentimentos, adquirindo, assim, gradativa mente, as virtudes que lhes propiciarão chegar ao estado de perfeição.
Vê-se, assim, que essa ascensão do Espirito, do estado de ignorância para o estado de sabedoria, depende tão somente do seu trabalho. E é importante destacar este aspecto, já que o trabalho e a parte que lhe cabe e que e intransferível, uma vez que os recursos necessários Deus propicia a todos, em igualdade de condições.
"(...) Deus não aquinhoa melhor a uns do que a outros, porquanto e justo, e, visto serem todos seus filhos, não tem preleções.
Ele lhes diz: Eis a lei que deve constituir a vossa norma de conduta; ela só pode levar-vos ao fim; tudo que lhe for conforme é o bem, tudo que lhe for contrário é o mal. Tendes inteira liberdade de observar ou infringir esta lei, e assim sereis árbitros da vossa própria sorte. Conseguintemente, Deus não criou o mal; todas as suas leis são para o bem, e foi o homem que criou esse mal, divorciando-se dessas leis; se ele as observasse escrupulosamente, jamais se 'desviaria do bom caminho." (01) ; Por aí se observa a lei de liberdade regendo o progresso dos Espíritos. Através de seu trabalho e com o uso do livre-arbítrio o Espírito vai, de forma voluntária e consciente, conquistando as virtudes que não possui e desfazendo-se das suas imperfeições. É o que esclarecem os Espíritos Superiores: "(...) O livre - arbítrio se desenvolve à medida que o Espirito adquire a consciência de si mesmo. Já não haveria liberdade, desde que a escolha fosse determinada por causa independente da vontade do Espirito. A causa não está nele, está fora dele, nas influências a que cede em virtude da sua livre vontade. o que se contem na grande figura emblemática da queda do homem e do pecado original: uns cederam a tentação, outros resistiram. (...)" (4)
E quando Kardec pergunta se as influências dos Espíritos imperfeitos só se exerce sobre o Espirito em sua origem, os Espíritos Superiores respondem com clareza: "(...) Acompanha-o na sua vida de Espírito, ate que haja conseguido tanto império sobre si mesmo, que os maus desistem de obsidiá-lo." (4) Como se vê, só através da evolução moral e intelectual e que os Espíritos, encarnados e desencarnados' se distanciam da influencia negativa dos Espíritos inferiores.
Conclui-se, dai, que a plena e eterna felicidade está à nossa espera quando chegarmos a condição de Espíritos puros. Os meios de alcançá-la, Deus no-los oferece. depende apenas de nós, através do trabalho e do adequado uso do livre-arbítrio, abreviar essa chegada.