Make your own free website on Tripod.com
PROGRAMA VI

ROTEIRO 10

A MORAL CRISTÃ E OS EVANGELHOS

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Dar as características da Moral Cristã.
Explicar porque Jesus ensinava por parábolas.
Fazer um estudo reflexivo do Sermão do Monte.

IDÉIAS PRINCIPAIS
"(...) Para Jesus, numa só palavra, toda a religião, toda a filosofia consiste no amor (,...)". (07)
"(...) O Cristo foi o iniciador da mais pura, da mais sublime moral, da moral evangélico-cristã, que há de renovar o mundo, aproximar os homens e torná-los irmãos: que há de fazer brotar de todos os corações a caridade e o amor do próximo e estabelecer entre os humanos uma solidariedade comum; de uma perfeita moral, enfim, que há de transformar a Terra, tornando-a morada de Espíritos superiores (...) (01)
O porquê do ensino cristão através de parábolas é explicado pelo próprio Jesus: "(...) Eu Ihes falo por parábolas, porque a vós outros vos é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles (referindo-se ao povo em geral) não lhes é concedido. (...)" (06)
"(...) O Sermão da Montanha resume, em traços indeléveis, o ensino popular de Jesus. Nele é expressa a lei moral sob uma forma que jamais foi igualada. (...)" (07)

FONTES DE CONSULTA

BÁSICAS
01. KARDEC, Allan. A nova era. I n : . O Evangelho segundo o Espiritismo. Trad. de Guillon Ribeiro. 85. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. p. 62.
02. Fora Da Caridade Não Há Salvação. In: . O Evangelho segundo o Espiritismo. Trad. de Guillon Ribeiro. 85. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. p. 257.
03. Caridade e amor ao próximo. In: . O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 58. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1983. Questão 886, p. 407.

COMPLEMENTARES
04. A BÍBLIA de Jerusalém. Novo Testamento e Salmos. Vários tradutores. São Paulo, Edições Paulinas, 1984. nota d, p. 29.
05. Op. cit., nota e, p. 29.
06. DENIS, Léon. Sentido oculto dos Evangelhos. In: . Cristianismo e Espiritismo. Trad. de Leopoldo Cirne. 7. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1978. p. 38.
06a. Op. cit., p. 37-38.
07. Op. cit., p. 42-43.
08. Op. cit., p. 45-46. 0
09. FRANCO, Divaldo Pereira. Boa Nova. In: . Luz Do Mundo. Pelo Espírito Amélia Rodrigues. 2. ed. Salvador (Bahia), Livraria Espírita "Alvorada", 1971. p. 14.
10. SCHUTEL, Cairbar. A Grande Revolução. In: . O Espírito do Cristianismo. 5. ed. Matão (SP), Casa Editora O Clarim, 1971. p. 125.
11. Op. cit., p. 127.
12. SIMONETTI, Richard. Medicina do futuro. In : . A Voz Do Monte. Rio de Janeiro, FEB, 1983. p 12.
13 .VINICIUS Jesus e suas parábolas In: . Em Torno Do Mestre 4. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1979. p. 229.
14. XAVIER, Francisco Cândido. A carta do mundo. In: . Pontos E Contos. Pelo Espírito Irmão X. 5. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1969. p. 21.
 

A MORAL CRISTÃ

"(...) Jesus foi o maior revolucionário que apareceu no mundo.
Espírito incomparável em sabedoria e em virtudes, foi Ele escolhido no Conselho Supremo para trazer a Lei da Reforma Social ã Terra, para que possam imperar no lar, na sociedade, nas nações, os preceitos de amor recíproco em plena atividade para a evolução da Humanidade. (...)" (10)
"(...) A Revolução Cristã é a execração do ódio e a proclamação do Amor; é a bandeira da Fraternidade Universal, flutuando na Inteligência, sob a paternidade de Deus. (...)" (11)
"(...) Qual a verdadeira doutrina do Cristo? Os seus princípios essenciais acham-se claramente enunciados no Evangelho. É a paternidade universal de Deus e a fraternidade dos homens, com as conseqüências morais que daí resultam; é a vida imortal a todos franqueada e que a cada um permite em si próprio realizar "o reino de Deus", isto é, a perfeição, pelo desprendimento dos bens materiais, pelo perdão das injúrias e amor ao próximo."
Para Jesus, numa só palavra, toda religião, toda a filosofia consiste no amor:;
"Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam (...)". (07)
Sob a suave e meiga palavra de Jesus, toda impregnada do sentimento da natureza, essa doutrina se reveste de um encanto irresistível, penetrante. Ela é saturada de terna solicitude pelos fracos e pelos deserdados. E a glorificação, a exaltação da pobreza e da simplicidade. Os bens materiais nos tornam escravos; agrilhoam o homem ã Terra. A riqueza é um estorvo; impede os vôos da alma e a retém longe do "reino de Deus". A renúncia, a humildade, desatam esses laços e facilitam a ascensão para a luz.
Por isso é que a doutrina evangélica permaneceu através dos séculos como a expressão máxima do espiritualismo, o supremo remédio aos males terrestres, a consolação das almas aflitas nesta travessia da vi da, semeada de tantas lágrimas e angústias. (...)" (08)
(...) A Boa Nova ressuma esperança, pois ë a história do homem angustiado, batendo e Jesus respondendo, em forma de socorro lenificador incessante, corno a dádiva de Deus para a libertação do ser". (09)
"(...) Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, isto é, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho Em todos os seus ensinos, ele aponta essas duas virtudes como sendo as que conduzem à eterna felicidade(...)O orgulho e o egoísmo, eis o que não se cansa de combater. E não se limita a recomendar a caridade; põe-na claramente e em termos explícitos como condição absoluta da felicidade futura. (...)" (02)
Sendo caridosos e humildes estaremos vivenciando o cristianismo no seu sentido mais amplo que é a prática da lei do amor.
A prática da caridade significa "(...) Benevolência para com to dos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. (...)
A caridade segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, "nossos iguais, ou nossos superiores. Ela nos prescreve a indulgência, porque da indulgência precisamos nós mesmos, e nos proíbe que humilhemos os desafortunados, (...) (03)
A moral cristã, ensinada e exemplificada por Jesus, tem por definição "(...) a aplicação dos princípios curativos e regeneradores do Médico Divino. Esses princípios começam na humildade da manjedoura, com escalas pelo serviço ativo do Reino de Deus, com o auxílio fraterno aos semelhantes, com a adaptação ã simplicidade e à verdade, com o perdão aos outros, com a cruz dos testemunhos pessoais, com a ressurreição do Espírito, com o prosseguimento da obra redentora através da abnegação e da renúncia, da longanimidade e da perseverança no bem até o fim da luta, terminando na Jerusalém libertada, símbolo da Humanidade redimi da. (...)" (14)
Jesus ensinava por parábolas. Isto porque nem todos possuíam evolução espiritual para apreender as verdades evangélicas em toda sua profundidade.
Se por um lado a doutrina cristã é clara e simples "(...)em seus princípios essenciais (...), todavia, ela manifesta os sinais de um ensino oculto. Jesus fala muitas vezes por parábolas. Seu pensamento, de ordinário tão luminoso, mergulha por vezes em meia obscuridade. Não se percebem, então, mais que os vagos contornos de uma grande idéia dissimulada sob o símbolo (...)". (6a)
É o que ele próprio explica por estas palavras (...):
"Eu lhes falo por parábolas, porque vós outros vos é dado conhecer os mistérios do reino dos Céus, mas a eles (referindo-se ao povo em geral ) não lhes é concedido " (Mateus, 32;10e11) (...)(06)
Mas, "(...) sob o véu das parábolas e das ficções, ocultava concepções profundas. (...)" (08)
Devemos compreender também que "(...) Jesus, como sábio educador, costumava recorrer freqüentemente as parábolas a fim de melhor interessar e impressionar os seus ouvintes.
Esse processo é eminentemente prático e pedagógico, pois supre as deficiências intelectuais do educando, sempre que se trata de assuntos transcendentes.
Demais, na época em que o Mestre Divino predicava, (...), os ensinamentos eram conservados e revividos por meio da tradição. Ora, é muito mais fácil reter na mente a lição ministrada através de um conto qualquer onde há o enredo que auxilia as associações de idéias, do que quando ensinada de modo inteiramente abstrato.(...)
Se o sapientíssimo Instrutor e Guia da Humanidade não tivesse envolvido seus sublimes preceitos no manto parabólico, eles não teriam chegado até nós (...)". (13)
Finalmente, devemos considerar como conclusão desta síntese, que "(...) O sermão da montanha resume, em traços indeléveis, o ensino popular de Jesus. Nele e expressa a lei moral sob uma forma que jamais foi igualada."
Os homens aí aprendem que não há mais seguros meios de elevação que as virtudes humildes e escondidas.
"Bem aventurados os pobres de espírito ( isto é, os espíritos simples e retos ), porque deles é o reino dos Céus. Bem aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem aventurados os que são misericordiosos, porque alcançarão a misericórdia. Bem aventurados os limpos de coração, porque esses verão a Deus. (...)" (07)
O sermão da montanha começa com as bem-aventuranças, ora citadas, e é completado com a comparação que Jesus faz do homem sensato que a casa sobre a rocha, como sendo todo aquele que ouve as suas e as põe em prática. Esse discurso evangélico pode ser lido em Mateus, a partir do capítulo 5 ate o 7, versículo 29. No Sermão da Montanha "(...) temos cinco temas principais: l. o espírito que deve animar os filhos do Reino (...); 2. o espírito com que devem eles "cumprir" as leis e as práticas do judaísmo (...); 3. o desprendimento das riquezas (...); 4. as relações com o próximo (...); 5. a necessidade de entrar no Reino por uma decisão corajosa que se traduza em atos
Deve-se perceber que o sermão pronunciado em uma das colinas de Cafarnaum (05), é um discurso inaugural sobre o advento e o que representa o Reino dos Céus. (04)
No "(...) Sermão da Montanha, (...), Jesus compôs, com a simplicidade da sabedoria autêntica e com a profundidade da verdade revelada, uma síntese das leis morais que regem a evolução humana.
Gandhi, o inesquecível líder hindu, dizia que o Sermão da Montanha ë a mais bela página da Humanidade. Por si só preservaria os patrimônios espirituais humanos, ainda que se perdessem os livros sagrados de todas as religiões (...)." (12)

ANEXO I

ROTEIRO DE INSTRUÇÕES PARA APLICAÇÃO DO SEMINÁRIO RELÂMPAGO

Ouça atentamente a exposição e, durante o seu desenvolvimento, anote no verso:

a) o que achou mais interessante;
b) o que lhe pareceu menos claro;
c) o que provocou sua oposição.

Essas suas anotações servirão para realizar um debate em torno do que estudamos.
Para tanto você poderá se inscrever como debatedor para:

a) fazer alguma objeção;
b) esclarecer alguma idéia;
c) trazer alguma contribuição pessoal.
 

ANEXO II
Sugestão de Cartaz

 
 
/ pelo exercício da caridade
/ pela humildade
MORAL CRISTÃ / pelo perdão das ofensas
prática da lei do amor / pelo combate ao egoísmo e orgulho
/ pelo amor a deus e ao próximo ( mandamento. Maior )
SERMÃO DA MONTANHA / expressa nas bem-aventuranças - lei moral
síntese da Doutrina Cristã / expressa na realidade do reino dos Céus perfeição moral
PARÁBOLAS / para se fazer compreendido ais menos evoluídos;
método de ensino usado por Jesus / para perpetuar seus ensinamentos