Make your own free website on Tripod.com
PROGRAMA III

ROTEIRO 13

A LEI DE SOCIEDADE
VIDA EM FAMÍLIA E LAÇOS DE FAMÍLIA

OBJETIVOS ESPECÍFICOS.
1) Conceituar a vida em família .
2) Ressaltar a importância da vida em família.
3) Apontar a diferença entre parentesco pelos laços físicos e pelos laços espirituais.

IDÉIAS PRINCIPAIS.
"A família é uma instituição divina cuja finalidade precípua consiste me estreitar laços sociais (...)".(03)
"(...) Há no homem alguma coisa mais, além das necessidades físicas: há a necessidade de progredir. Os laços sociais são necessários ao progresso e os de família mais apertados tornam os primeiros. Eis porque os segundos constituem uma lei da Natureza. Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como irmãos." (02)
"(...) Ha, pois, duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente já na existência atual. (...)" (0l)

FONTES DE CONSULTA

BÁSICAS

01 - KARDEC, Allan. Honrai a vosso pai e a vossa mãe. In O Evangelho segundo o Espiritismo. Trad. Guillon Ribeiro. 87 ed. Rio de Janeiro , FEB, 1983, item 08
02 - O Livro dos Espíritos trad. Guillon Ribeiro. 57. ed. Rio Janeiro, FEB, 1983, perg. 774.

COMPLEMENTARES.

03 - CALLIGARIS, Rodolfo. A família In. As leis morais. 2 ed. Rio de Janeiro, FEB, 1983 p.115
04 - Franco, Divaldo Pereira. Família. In Estudos Espíritas Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Rio de Janeiro, FEB, 1982. p 176.
05 - Filhos ingratos . In Após a tempestade. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador, Alvorada, 1977. p. 33
06 - XAVIER, Francisco Cândido. Família. In. Vida e sexo. Ditado pelo Espírito Emmanuel. 6 ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982, p 13.
 

VIDA EM FAMÍLIA E LAÇOS DE FAMÍLIA

A vida familiar deve ser a vida de todo homem integrado na unidade social, denominada família. Esta palavra, família, pode ser conceituada num sentido mais restrito - constituído pelos nossos familiares consangüíneos - como num sentido mais amplo, o representado por grupamentos de espíritos afins, quer intelectual, quer moralmente.
"(...) A família é abençoada escola de educação moral e espiritual, oficina santificante onde se lapidam caracteres; laboratório superior em que se caldeiam sentimentos, estruturam aspirações, refinam idéias, transformam mazelas antigas em possibilidades preciosas para a elaboração de misteres santificante. (...)"(05)
A família é pois, o mais prodigioso educandário do progresso humano. A sua importância não se mede apenas como uma fonte geratriz de seres racionais, mas como oficina de onde se projetam os homens de bem, os sábios, os benfeitores em geral."(...)A família é mais do que um resultante genético... São os ideais, os sonhos, os anelos, as lutas e árduas tarefas, os sofrimentos e as aspirações, as tradições morais elevadas que se cimentam nos liames da concessão divina, no mesmo grupo doméstico onde medram as nobres expressões da elevação espiritual na Terra.
Quando a família periclita, por esta ou aquela razão, sem dúvida a sociedade está a um passo do malogro...(...)"(04)
A vida em família, para que atinja suas finalidades maiores, deve ser vivenciada dentro dos padrões de moralidade e solidariedade. A família é uma instituição divina cuja finalidade precípua consiste em estreitar os laços sociais, ensejando-nos o melhor modo de aprendermos a amar-nos como irmãos.(...)"(03)
Por tão incontestáveis razões, a vida em família, de todas as associações é, talvez, a mais importante em virtude da sua função educadora e regenerativa.(06)
Existem duas modalidades de família e , em conseqüência, duas categorias de laços parentescos; as que procedem da consangüinidade e as que procedem das ligações espirituais.
Os laços de sangue não criam forçosamente os liames entre os Espíritos. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o espírito já existia antes da formação do corpo. Não é o pai quem cria o espírito de seu filho; ele mais não faz que lhe fornecer o invólucro corpóreo, cumprido-lhe, no entanto, auxiliar o desenvolvimento intelectual e moral do filho, para faze-lo progredir.
Os que encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena. Mas, também pode acontecer sejam completamente estranhos uns aos outros esses Espíritos, afastados entre si por antipatias igualmente anteriores, que se traduzem na Terra por mútuo antagonismo, que aí lhes serve de provação. Não são os da consangüinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de idéias, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações.(...)"
Há ,pois , duas espécies de família; as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. Duráveis , as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, já na existência atual.(...)"(01)

ANEXO I
Solução natural (*)

Os espíritos benfeitores já não sabiam como atender k pobre senhora obsidiada.
Perseguidor e perseguida estavam mentalmente associados à maneira de polpa e casca no fruto.
Os amigos desencarnados tentaram afastar o obsessor, induzindo a jovem senhora a esquecê-lo, mas debalde.
Se tropeçava na rua, a moça pensava nele...
Se alfinetava um dedo em serviço, atribuia-Ihe o golpe...
Se o marido estivesse irritado, dizia-se vítima do verdugo invisível...
Se a cabeça doía, acusava-o...
Se uma xícara se espatifasse, no trabalho doméstico, imaginava-se atacada por ele...
Se aparecesse leve dificuldade econômica, transformava a prece em critica ao desencarnado infeliz...
Reconhecendo que a interessada não encontrava libertação, por teimosia, os instrutores espirituais ligaram os dois - a doente e o acompanhante invisível - em laços fluídicos mais profundos, até que ele renasceu dela mesma, por filho necessitado de carinho e de compaixão.
Os benfeitores descansaram.
O obsessor descansou.
A obsidiada descansou.
O esposo dela descansou.
Transformar obsessores em filhos, com a bênção da Providência Divina, para que haja paz nos corações e equilíbrio nos lares, muita vez é a única solução.

HILÁRIO SILVA

(*) XAVIER, Francisco Cândido, Luz no Lar. Diversos autores espirituais. 3 ed.
Rio de Janeiro, FEB, 1978, p. 82-83

ANEXO II
TEXTO PARA ESTUDO INDIVIDUAL E EM GRUPOS
(TÉCNICA DE RUMINAÇÃO)

Família

Há, pois, duas espécies de famílias: as família pelo laços espirituais. e as famílias pelos laços corporais. Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e, muitas vezes, se dissolvem moralmente, já na existência atual.»

Do item 8, no Cap. XIV, de "O Evangelho SEGUNDO O ESPIRITISMO "
 

De todas as associações existentes na Terra - excetuando naturalmente a Humanidade - nenhuma talvez mais importante em sua função educadora e regenerativa: a constituição da família.
De semelhante agremiação, na qual dois seres se conjugam, atendendo aos vínculos do afeto, surge o lar, garantindo os alicerces da civilização. Através do casal, ai estabelecido, funciona o principio da reencarnação, consoante as Leis Divinas, possibilitando o trabalho executivo dos mais elevados programas de ação do Mundo Espiritual.
Por intermédio da paternidade e da maternidade, o homem e a mulher adquirem mais amplos créditos da Vida Superior.
Dai, as fontes de alegria que se lhes rebentam do ser com as tarefas da procriação.
Os filhos são liames de amor conscientizado que lhes granjeiam proteção mais extensa do Mundo Maior, de vez que todas nos integramos grupos afins.
Na arena terrestre, é justo que determinada criatura se faça assistida por outras que lhe respiram a mesma faixa de interesse afetivo. De modo idêntico, é natural que as inteligências domiciliar das nas Esferas Superiores se consagrem a resguardar e guiar aqueles companheiros de experiência, volvidos a reencarnação para fins de progresso e burilamento,
A parentela no Planeta faz-se filtro da família espiritual sediada além da existência física, mantendo os laços preexistentes entre aqueles que lhe comungam o clima.
Arraigada nas vidas passadas de todos aqueles que a compõem, a família terrestre é formada, assim, de agentes diversos, porquanto nela se reencontram, comumente, afetos e desafetos, amigos e inimigos, para os ajustes e reajustes indispensáveis, ante as leis do destino.
Apesar disso, importa reconhecer que o clã familiar evolve incessantemente para mais amplos conceitos de vivência coletiva, sob os ditames do aperfeiçoamento geral, conquanto se erija sempre em educandário valioso da alma.
Temos, dessa forma, no instituto doméstico uma organização de origem divina, em cujo seio encontramos os instrumentos necessários ao nosso próprio aprimoramento para a edificação do Mundo Melhor. ( 1 )

(01) XAVIER Francisco Cândido. Vida e Sexo. Ditado pelo Espirito Emmanuel. 6. ed. Rio de Janeiro,- FEB, 1982. p. 13-15.

Pais e filhos

«A ingratidão é um dos frutos mais diretos do egoísmo. Revolta sempre os corações honestos, Mas, a dos filhos para com os pais apresenta caráter ainda mais odioso. »

Do item 9, do Cap. XIV, de "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO"
 

Trazida a reencarnação para os alicerces dos fenômenos sócio-domésticos, não é somente a relação de pais para filhos que assume caráter de importância, mas igualmente a que se verifica dos filhos para com os pais.
Os filhos não pertencem aos pais; entretanto, de igual modo, os pais não pertencem aos filhos.
Os genitores devem especial consideração aos próprios rebentos, mas o dever funciona bi-lateralmente, de vez que os rebentos do grupo familiar devem aos genitores particular atenção. Existem pais que agridem os filhos e tentam escravizá-los, qual se Ihes fossem objeto de propriedade exclusiva; todavia, encontramos, na mesma ordem de freqüência, filhos que agridem os pais e buscam escravizá-los, como se os progenitores Ihes constituíssem alimárias domésticas,
A reencarnação traça rumos nítidos ao mútuo respeito que nos compete de uns para com os outros.
.Entre pais e filhos, há naturalmente uma fronteira de apreço recíproco., que não se pode ultrapassar, em nome do amor, sem que o egoísmo apareça, conturbando-lhes a existência,
Justo que os pais pão interfiram no futuro dos filhos, tanto quanto justo que os filhos não interfiram no passado dos pais.
Os pais não conseguem penetrar, de imediato, a trama do destino que os princípios cármicos lhes reservam aos filhos, no porvir, e os filhos estão inabilitadas a compreender, de pronto, o enredo das circunstâncias em que se mergulharam seus pais, no pretérito, a fim de que pudessem volver, do Plano Espiritual ao renascimento no Plano Físico. Unicamente no mundo das causas, após a desencarnação, ser-lhes-á possível o entendimento claro, acerca dos vínculos em que se imantizam. Invoque-se, à vista disso, o auxílio de religiosos, professores, filósofos e psicólogos, a fim de que a excessiva agressividade filial não atinja as raias da perversidade ou da delinqüência para com os pais c nem a excessiva autoridade dos pais venha ;s violentar os filhos, em nome de extemporânea ou cruel desvinculação.
Pais e filhos são, originariamente, consciências livres, livres filhos de Deus empenhados no mundo à obra de auto-burilamento, resgate de débitos, reajuste, evolução. As leis da vida englobam-lhes a individualidade no mesmo alto gabarito de consideração.
Nunca é lícito o desprezo dos pais para com os filhos e vice-versa.
Não configuramos no assunto qualquer aspecto lírico na temática afetiva. Apresentamos, sumariamente, princípios básicos do Universo,
A existência, terrestre é muito importante no progresso e no aperfeiçoamento do Espirito; no entanto, ao mesmo tempo, é simples estágio da criatura. eterna no educandário da experiência física, à maneira de estudante no internato.
Os pais lembram alunos, em condições mais avançadas de tempo, no currículo de Lições, ao passado que os filhos recordam aprendizes iniciantes, quando surgem na arena de serviço terrestre, com acesso na escola, sob o patrocínio dos companheiros que os antecederam, por ordem de matricula e aceitação. E que os filhos jamais acusem os pais pelo curso complexo ou difícil em que se vejam no colégio da existência humana, porquanto, na maioria das ocasiões, foram eles mesmos, os filhos, que, na condição de Espíritos desencarnados, insistiram com os pais, através de afetuoso constrangimento ou suave processo obsessivo, para que os trouxessem, de novo, à oficina de valores físicos, de cujos instrumentos se mostravam carecedores, a fim de seguirem rumo correto, no encalço da própria emancipação.(2)

02 ) Op. Citada, pag. 77-80