Make your own free website on Tripod.com
PROGRAMA III

ROTEIRO 16

LEI DE DESTRUIÇÃO
DESTRUIÇÃO NECESSÁRIA E DESTRUIÇÃO ABUSIVA

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1) Caracterizar o que é destruição.
2) Estabelecer a diferença entre destruição necessária e destruição abusiva.
3) Explicar porque, instintivamente, o homem tem medo da morte.

IDÉIAS PRINCIPAIS.
"preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar. Por que, o que chamais destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos. (...)" (04)
"(...) Para se alimentarem, os seres vivos reciprocamente se destroem, destruição esta que obedece a um duplo fim: manutenção do equilíbrio na reprodução, que poderia tornar-se excessiva, e utilização dos despojos do invólucro exterior que sofre a destruição. (...)" (04)
Toda destruição que excede os limites da necessidade é uma violação da lei de Deus. (...)" (06)
O homem teme, instintivamente, a morte porque "(...) Deus lhe deu o instinto de conservação, instinto que o sustenta nas provas. A não ser assim,, ele muito freqüentemente se entregaria ao desânimo. A voz intima, que o induz a repelir a morte, lhe diz que ainda pode realizar alguma coisa pelo seu progresso. (...)" (05)

FONTES DE CONSULTA.

BÁSICAS

01 - KARDEC, Allan. O bem e o mal. In: A Gênese. Trad. de Guillon Ribeiro. 25. ed. Rio de Janeiro, FEB ,Item 20.
02 - Op. cit., item 23, p. 82-83.
03 - Op. cit., item 24, p. 83.
04 - O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 57. ed. Rio e anexo, FEB, 1 3, perg. 728.
05 - Op. cit., perg. 730
06 - Op. cit., perg. 735
07 - Temor da morte. In: -. O Céu e o Inferno. Trad. de Manuel Justiniano Quintão. 29. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. Item 2,3, p. 20-21. e
08 - Op. cit., item 4, p. 21-22.

COMPLEMENTARES

09. CALLIGARIS, Rodolfo. A lei de destruição. In: - As leis morais. 2. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1983. p. 91-92.
 

DESTRUIÇÃO NECESSÁRIA E DESTRUIÇÃO ABUSIVA

A destruição recíproca dos seres vivos é ,dentre as leis da Natureza ,uma das que a primeira vista menos parecem conciliar-se com a bondade de Deus. Pergunta-se porque lhes criou Ele a necessidade de mutuamente se destruírem ,para se alimentarem uns a custa dos outros.(...)"(01)
Para aquele que enxerga apenas a matéria , que limita sua visão a vida presente, isto parece, com efeito , uma imperfeição na obra divina. É que em geral os homens julgam a perfeição de Deus pelo seu ponto de vista; sua própria opinião é a medida de sua sabedoria, e pensam que Deus não poderia fazer melhor do que eles próprios o fazem . Como sua vista curta não lhes permite julgar o conjunto , não compreendem que , de um mal aparente, pode resultar um bem real. O conhecimento de princípio espiritual , considerado em sua verdadeira essência ,e da grande lei de unidade , que constitui a harmonia da Criação, é o único que pode dar ao homem a chave desse mistério, e mostrar-lhe a sabedoria providencial e a harmonia, precisamente onde não via senão uma anomalia e uma contradição.
Uma primeira utilidade que se apresenta desta destruição , utilidade puramente física é verdade , é esta: os corpos orgânicos não se mantém senão por meio de matérias orgânicas , sendo estas matérias as únicas que contém os elementos nutritivos necessários a sua transformação. Como os corpos ,instrumentos da ação do princípio inteligente ,tem necessidade de ser incessantemente renovados , a providência os faz servir para sua manutenção mútua; é por esse motivo que o corpo se nutre do corpo ,mas o Espírito não é nem destruído nem alterado, apenas se despoja de seu envoltório.
Há , além disso, "(...)considerações morais de ordem elevada.
É necessária a luta para o desenvolvimento do Espírito . Na luta é que ele exercita suas faculdades. O que ataca em busca do alimento e o que defende para conservar a vida , usam de habilidade e inteligência , aumentando em conseqüência , suas forças intelectuais. Um dos dois sucumbe ; mas em realidade , o que foi que o mais forte ou mais destro tirou do mais fraco? A veste de carne, nada mais; ulteriormente, o Espírito ,que não morreu ,tomará outra"(02)
Nos seres inferiores da criação, naqueles a quem ainda falta o sentido moral ,em os quais a inteligência ainda não substituiu o instinto, a luta não pode ter por móvel senão a satisfação de uma necessidade material. Ora, uma das mais imperiosas dessas necessidades é a da alimentação. Eles , pois ,lutam unicamente para viver, isto é, para fazer ou defender uma presa, visto que nenhum móvel mais elevado os poderia estimular. É nesse primeiro período que a alma se elabora e ensaia para a vida.(...)"(03)
"(...) Sob outro prisma, ao se destruírem uns aos outros, pela necessidade de se alimentarem, os seres infra humanos mantêm o equilíbrio na reprodução, impedindo-a de tornar-se excessiva, contribuindo, ainda , com seus despojos, para uma infinidade de aplicações úteis à Humanidade.(*)
Restringindo o exame desta questão apenas ao procedimento do homem, que é o que mais nos interessa, aprendemos com a Doutrina Espírita que a matança de animais, bárbara sem dúvida, foi , é e será por mais algum tempo necessária aqui na Terra , devido a suas grosseiras condições de existência. A medida, porém , que os terrícolas se depurem , sobrepondo o espírito à matéria , o uso de alimentação carnívora será cada vez menor, até desaparecer definitivamente , qual se verifica nos mundos mais adiantados que o nosso.
Aprendemos, mais , que em seu estado atual o homem só é escusado (da responsabilidade) dessa destruição na medida em que tenha de prover ao seu sustento e garantir a sua segurança. Fora disso, quando , por exemplo, se empenha em caçadas pelo simples prazer de destruir, ou em esportes mortíferos , como as touradas , o "tiro aos pombos" , etc., terá que prestar contas a Deus por esse abuso , que revela, aliás , predominância dos maus instintos.(...)"(*)(09)
O temor da morte "(...) é um efeito da sabedoria da Providência e uma conseqüência do instinto de conservação comum a todos os viventes.(...)
Assim é que , nos povos primitivos, o futuro é uma vaga intuição, mais tarde tornada simples esperança e, finalmente ,uma certeza apenas atenuada por secreto apego a vida corporal.
A proporção que o homem compreende melhor a vida futura , o temor da morte diminui; uma vez esclarecida a sua missão terrena, aguarda-lhe o fim , calma, resignada e serenamente.(...)(07)
"Para libertar-se do temor da morte é mister poder encara-la sobre o seu verdadeiro ponto de vista, isto é , ter penetrado pelo pensamento no mundo espiritual, fazendo dele uma idéia tão exata quanto possível, o que denota da parte do Espírito encarnado um tal ou qual desenvolvimento e aptidão para desprender-se da matéria.
No Espírito atrasado, a vida material prevalece sobre a espiritual. Apegando-se as aparências , o homem não distingue a vida além do corpo, esteja embora na alma a vida real ; aniquilado aquele, tudo se lhe afigura perdido , desesperado.(...)
O temor da morte decorre, portanto , da noção insuficiente da vida futura, embora denote também a necessidade de viver e o receio da destruição total . Igualmente o estimula secreto anseio pela sobrevivência da alma , velado pela incerteza.
Esse temor decresce, à proporção que a certeza aumenta , e desaparece quando esta é completa.(...)(08)

(*) o grifo é nosso.