Make your own free website on Tripod.com

PROGRAMA IV

ROTEIRO 16

VIDA ESPIRITA
SIMPATIAS E ANTlPATIAS

OBJETIVOS BÁSICO
Explicar como se estabelecem as relações de simpatia entre os desencarnados e encarnados
Evidenciar a pratica do amai os vossos inimigos (MI,-5:44) ensinada por Jesus

.IDÉIAS PRINCIPAIS
"(...) A simpatia que atrai um Espírito para outro resulta da per feita concordância de seus pendores e instintos (...)." (01)
"(...)Os inimigos do mundo invisível manifestam sua malevolência pelas obsessões e subjugações com que tanta gente se vê a braços .( )." (03)
" (....) Amai o vosso inimigo não se circunscreve ao âmbito acanhado da Terra e da vida presente; antes, faz parte da grande lei da solidariedade e da fraternidade universais." (03)

FONTES DE CONSULTA.

BÁSICAS
01 - KARDEC, Allan. - Da Vida Espirita. In: - . O Livro dos Espíritos, trad. de Guillon Ribeiro, 57. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1983 questão 301, p. 185.
02 - Op. cit., questão 298, p. 185.
03 - Os inimigos desencarnados. In: - . O Evangelho Segundo o Espiritismo, trad. de Guillon Ribeiro, 87. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1983, capítulo 12. item 06, p. 207 a 208.
04 - Op. cit., item 05, p. 206.

SIMPATIAS E ANTlPATIAS

Como seres inteligentes da criação, que povoam o Universo, fora do mundo material, os Espíritos cultivam, entre si, a simpatia geral determinada pelas suas próprias semelhanças. Alem desta simpatia de caráter geral, existem, também, as afeições particulares, tal como as há entre os homens. Esta afeição particular decorre do principio de afinidade, como resultado de uma "(...) perfeita concordância de seus pendores e instintos. (...)" (01)

Assim como há as simpatias entre os Espíritos, há, também, as antipatias, alimentadas pelo ódio, que geram inimizades e distensões. Este sentimento, todavia, só existe entre os Espíritos impuros, que não venceram, ainda, em si mesmos, basicamente, o egoísmo e orgulho. Como exercem influencia junto aos homens, acabam estimulando nestes os desentendimentos e as discórdias, muito comuns na vida humana.
Desde que originada de verdadeira simpatia, a afeição que dois seres se consagram na Terra continua a existir sempre no mundo dos Espíritos.
Por sua vez, os Espíritos a quem fizemos mal neste mundo poderão perdoar-nos se já forem bons e segundo o nosso próprio arrependimento. Se, porem, ainda forem maus, podem guardar ressentimento e nos perseguirem muitas vezes até em outras existências.
Como observam os Espíritos superiores: "(...) da discórdia nascem todos os males dos humanos; da concórdia resulta a completa felicidade.'' (02) E um dos objetivos da nossa encarnação é o de trabalhar no sentido de nos melhorarmos interiormente e chegarmos à perfeição espiritual.
Isto nos leva a compreender melhor a afirmação de Jesus, quando nos disse: Amai os vossos inimigos , pois só há prejuízo para o Espirito que tenha inimigos por força do mal que haja praticado, uma vez que os inimigos são obstáculos em sua caminhada e essa inimizade sempre gera infelicidade e atraso em seu progresso espiritual.
Admitindo "(...) que a maldade não é um estado permanente dos homens; que ela decorre de uma imperfeição temporária e que, assim como a criança se corrige dos seus defeitos, o homem mau reconhecerá um dia os seus erros e se tornará bom (...)" (04) compreendemos também que a nossa meta maior e superar a maldade que ainda existe em nós e nos outros. E, neste sentido, só a manifestação de amor de nossa parte pode quebrar o circulo vicioso do ódio que continua a existir, muitas vezes, mesmo depois da morte flsica.
O período mais propicio a esse esforço é, sem duvida, quando estamos junto aos nossos inimigos, convivendo com eles, na condição de encarnados e desencarnados, pois é quando temos as melhores oportunidades de testemunhar nosso propósito de cultivar a concórdia para com todos e, assim, substituir os laços de ódio que nos ligavam, pelos laços de amor que passam a nos unir

Q U E S T 1 O N A R I O

01. Por que os laços dos sentimentos são mais Fortes entre os Espíritos desencarnados?
02. Que pode favorecer a antipatia e mesmo inimizade entre os desencarnados? -
03. Por que razão permitiria Deus que um Espirito perseguisse outro após chegar ao plano espiritual?
04. Por que o amar os inimigos e a mais sublime aplicação do principio da caridade? -
05. Que e necessário para um Espirito ser simpático a outro?
06. Em que condições pode haver simpatia perfeita entre dois Espíritos?
07. Quando um Espirito perde a simpatia por outro?
08. Por que devemos ser indulgentes com os nossos inimigos ou desafetos? ~
09. Justifique por que é falsa a expressão: o o ódio deve ser extinto com sangue.
10. Interprete, à luz da Doutrina Espirita, o amai os vossos inimigos ensinado por Jesus.
11. De que modo os inimigos desencarnados manifestam sua malevolência para com os encarnados?
12. Por que ainda existem Espíritos maus no nosso Planeta?

GABARITO DE RESPOSTAS

01. Porque esses laços não estão sujeitos às vicissitudes das paixões - como o amor-próprio - nem aos interesses materiais.
02. O ódio ou ressentimento de algum mal ou prejuízo que um Espírito fez a outro. ,
03. Como castigo ou provação que o Espirito do encarnado deva passar.
04. Porque a posse de tal virtude representa vitória sobre o orgulho e a vaidade.
05. Que haja perfeita concordância de pendores e instintos entre ambos
06. Quando dois Espíritos possuem igualdade de graus evolutivos.
07. Quando um deles e preguiçoso e, consequentemente, não acompanha o progresso do outro.
08. Porque a maldade não sendo um estado permanente dos homens, e sendo decorrente da imperfeição humana, o mau de hoje será o bom de amanhã.
09. Porque o Espirito sobrevivente à matéria continuará odiando, no além-túmulo, aquele que o prejudicou. O ódio só não existirá se o desencarnado for um bom Espirito e perdoar o agres sor.
10. Essa expressão de Jesus oferece um meio de se libertar do ódio e das perseguições dos desencarnados. Estes se sensibilizarão à medida que notarem o bom comportamento e o arrependimento sincero daqueles que o prejudicaram.
11. Através das obsessões e subjugações.
12. Porque ainda existem Espíritos imperfeitos que fazem o mal.