Make your own free website on Tripod.com
PROGRAMA VI

ROTEIRO 17

AMOR AO PRÓXIMO
RESPEITO ÀS LEIS, ÀS RELIGIÕES E AOS DIREITOS HUMANOS

OBJETIVOS ESPECÍFICO
Esclarecer porque o respeito ao próximo é uma lei da natureza.
Analisar as causas que induzem os homens a não se respeitarem mutuamente.

IDÉIAS PRINCIPAIS
O respeito que deve existir entre as pessoas, faz parte da execução da lei de justiça, visto que "A justiça consiste em cada um respeitar os direitos dos demais." (04)
O homem não respeita as leis, as religiões e todos os demais direitos existentes na sociedade porque ainda não aperfeiçoou o seu sentimento de justiça e se deixa levar pelas paixões ou imperfeições espirituais ainda inerentes ao seu Espírito. (03)
FONTES DE CONSULTA

BÁSICAS
01. KARDEC, Allan. Introdução. In: . O livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 57. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1983. Item 8, p.31.
02. Op. Cit., Questão 785 (Da Lei Do Progresso), p. 365.
03. Op. Cit., Questão 874 (Da Lei De Justiça, De Amor E De Caridade), p.403.
04. Op. Cit., Questão S75, p. 403-404.
05. Op. Cit., Questão S76, p. 404.

COMPLEMENTARES
06. João, 13:35.
07. FRANCO, Divaldo Pereira. Direito De Liberdade. In: . Leis Morais da Vida. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador (BA), Livraria Espírita Alvorada Editora, 1976, p. 134.
8. VIEIRA, Waldo. Na Sociedade. In: . Conduta Espírita. Pelo Espírito André Luiz. 8. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1971, p. 43-44.
09. Op. Cit., p. 77 (Perante os companheiros)
10. Op. Cit., p. 78-79.
11. Op. Cit., p. 87 (Perante os profitentes de outras religiões)
12 .Op. Cit., p. 87-88.
13. Op. Cit., p. 111 (perante a Pátria).

RESPEITO ÀS LEIS, ÀS RELIGIÕES E DIREITOS HUMANOS

Falou-nos Jesus : "(...) Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros (... ì" João (06) . Neste ensinamento está resumida a lei de Justiça, de Amor e de Caridade. Com a prática deste ensinamento evangélico, os homens se respeitariam mutuamente, os vínculos sociais entre as criaturas seriam mais consolidados, as leis mais justas, a convivência humana mais pacífica.
Não haveria desrespeito algum entre os homens, cada qual compreenderia os seus direitos, os seus limites de liberdade, professariam a crença para a qual estivessem inclinados sem embargarem ou criticarem a crença dos demais, executariam as leis e normas que regem a vida em Sociedade com precisão e naturalidade, ou seja, a lei de justiça estaria sendo aplicada em sua plenitude. Tudo isto ocorreria, e muitas outras coisas mais, se nos amássemos uns aos outros.
Num sentido amplo, tal não acontece, infelizmente, e, por este motivo, ainda existe tanto desrespeito às leis e aos direitos humanos.
Segundo os Espíritos da Codificação "A justiça consiste em cada um respeitar os direitos dos demais (...)", (04) acrescentando que duas coisas determinam esses direitos: "(...) a lei humana e a lei natural.
(04) Isto porque "('...) tendo os homens formulado leis apropriadas a seus costumes e caracteres, eles estabeleceram direitos mutáveis com o progresso das luzes.(...)" (04)
Uma lei aplicada à sociedade vivente, por exemplo, na Idade média, pareceria, nos dias atuais, algo inconcebível, apesar de ser justa e natural naquela época. (04) "(...) Nem sempre, pois, e acorde com a justiça o direito que os homens prescrevem. Demais, esse direito regula apenas algumas relações sociais, quando é certo que, na vida particular, há uma imensidade de atos unicamente da alçada do tribunal da consciência ", (04) Isto no que diz respeito ã lei humana; com relação à lei natural disse-nos, igualmente, Jesus: "(...) Queira cada um para os outros o que quereria para si mesmo. No coração do homem imprimiu Deus a regra da verdadeira justiça, fazendo que cada um deseje ver respeitados os seus direitos. Na incerteza de como deva proceder com o seu semelhante, em dada circunstância, trate o homem de saber como quereria que com ele procedessem, em circunstância idêntica. Guia mais seguro que a própria consciência não lhe podia Deus haver dado. (...)" (05)
Perante as leis, as religiões e demais direitos humanos devemos, sempre, agir cordialmente com respeito e fraternidade legítimas. "(...)Respeitar as idéias e as pessoas de todos os nossos irmãos, sejam eles nossos vizinhos ou não, estejam presentes ou ausentes, sem nunca descer ao charco da leviandade que gera maledicência.
Quem reprova alguém conosco, decerto que nos reprova perante alguém. (...)" (09)
Suprimir toda crítica destrutiva na comunidade em que aprende e serve.
A seara de Jesus pede trabalhadores decididos a auxiliar. (...)" (10)
"(...) Perdoar sempre as possíveis e improcedentes desaprovações sociais à sua fé, confessando, quando preciso for, a sua qualidade religiosa, principalmente através da boa reputação e da honradez que lhe exornam o caráter.
Cada Espírito responde por si mesmo. (...)" (08).
"(...) Cooperar com os poderes constituídos e as organizações oficiais empenhando-se desinteressadamente na melhoria das condições da máquina governamental, no âmbito dos próprios recursos. {...}" (13)
"(...) Estimar e reverenciar os irmãos de outros credos religiosos. (...)" (11)
"(...) Em nenhuma circunstância, pretender conduzir alguém ou alguma instituição, dessa ou daquela prática religiosa, à humilhação e ao ridículo. (...)" (12) Com relação à fé religiosa das pessoas "(...) Ninguém pensa em lhes violentar a crença; concordem, pois, em respeitar a dos outros (...)" (01)
Podemos então concluir que as causas que geram os desrespeitos humanos, são aquelas vinculadas à própria imperfeição humana. São aquelas que obstaculizam o progresso, como o orgulho e o egoísmo (02) e todas as demais paixões e imperfeições de Espíritos em vias de melhoria moral.
A medida que o homem progride moralmente amplia sua liberdade e cresce-lhe o senso de responsabilidade, isto porque, "(...) A responsabilidade resulta do amadurecimento pessoal em torno dos deveres morais e sociais, que são a questão matriz fomentadora dos lídimos direitos humanos.

ANEXO I

QUESTIONÁRIO.

01. Como se deve entender a lei de justiça, amor e caridade?
02. Por que o respeito. aos direitos' do próximo consiste na aplicação da lei de justiça?
03. Por que os homens ainda se desrespeitam tanto?
04. Induzir alguém a pensar ou agir segundo os nossos critérios de vida é um desrespeito ao próximo? Justifique sua resposta.
05. No trato com os semelhantes, desde quando estaremos infringindo as leis de justiça, liberdade e amor ao próximo? Exemplifique.