Make your own free website on Tripod.com

PROGRAMA V

ROTEIRO 21

DO MANDATO MEDIÚNICO
QUALIDADES ESSENCIAIS AO MÉDIUM

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Citar as qualidades essenciais ao médium Relacionar as imperfeições que afastam os bons Espíritos .
Analisar a influência moral dos médiuns nas comunicações espíritas.

IDÉIAS PRINCIPAIS
"(...) As qualidades que, de preferencia, atraem os bons Espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais. (...)" (01)
As imperfeições que afastam os bons Espíritos são: "(...) o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria." (01)
"Todas as imperfeições morais são outras tantas portas abertas ao acesso dos maus Espíritos. A que, porem, eles exploram com mais habilidade e o orgulho (...)." (02) -
"Se o médium, (...), não passa de um instrumento, exerce, todavia, influencia muito grande, sob o aspecto moral. (...) Ora, os bons tem afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por eles se comunicam. (...)" (01)

FONTES DE CONSULTA.

BÁSICAS
01. KARDEC, Allan. Da influência moral do médium. In: - O Livro dos Médiuns. Trad. de Guillon Ribeiro. 45. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. Item 227, p. 278-279.
02. Op. cit., item 228, p.279.
03. - . A Fe Transporta Montanhas. In: - . O Evangelho Segundo o Espiritismo :Trad. de Guillon Ribeiro. 85. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1982. Item 10, p. 318.

COMPLEMENTARES
04. XAVIER, Francisco Cândido. Mediunidade, desenvolvimento. In: -. O Consolador. Pelo Espirito Emmanuel. 7. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1977. Questão 387, p. 215.
05. Op. cit., questão 410, p. 227.
06. -. Passividade mediúnica. In: - . Mecanismos da Mediunidade. Pelo Espírito André Luiz. 4. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1973. p. 133.
07. PERALVA, Martins. Evangelho, Espiritismo e mediunidade: In: Mediunidade e Evolução. Rio de Janeiro, FEB, 1980. p. 16.
08. Op. cit., p. 20.
09. -. Médiuns. In: -. Estudando a Mediunidade. 6. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1975, p. 43.


QUALIDADES ESSENCIAIS AO MÉDIUM.
"Os médiuns são os interpretes dos Espíritos; suprem, nestes últimos, a falta de órgãos materiais pelos quais transmitam suas instruções. Dai vem o serem dotados de faculdades para esse efeito. (...)" (03)
Emmanuel, esclarecendo sobre as qualidades mais necessárias a um bom médium afirma que "(...) a primeira necessidade do médium é evangelizar-se a si mesmo antes de se entregar às grandes tarefas doutrinárias, pois, de outro modo poderá esbarrar sempre com o fantasma do personalismo, em detrimento de sua missão." (04)
"(...) As qualidades que, de preferência, atraem os bons Espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais. Os defeitos que os afastam são: o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria. (...)" (01)
O médium "(...) eficiente, sob o ponto de vista espiritual, será aquele trabalhador que melhor se harmonizar com a vontade do Pai Celestial.
Será aquele que se destacar pelo cultivo sincero da humildade e da fé, do devotamento e da confiança, da boa vontade e da compreensão. (...)" (09)
"Se o médium, do ponto de vista da execução, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande, sob o aspecto moral. Pois que, para se comunicar, o Espirito desencarnado se identifica com o Espírito do médium, esta identificação não se pode verificar, senão havendo, entre um e outro, simpatia e, se assim é lícito dizer-se, afinidade. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau da semelhança existente entre eles. Ora, os bons tem afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam. (...)" (01)
"(...) Sob o ponto de vista do mecanismo da comunicação, a mediunidade, em si mesma, não depende do fator moral.
Sob o ponto de vista da assistência espiritual, contudo, o fator moral é indispensável. Médiuns moralizados contam com o amparo de Espíritos Superiores. (...).
O médium moralizado terá a vida de um homem de bem. Será humilde, sincero, paciente, perseverante, bondoso, estudioso, trabalhador, desinteressado. (...)" (07)
Por isto, "(...) Paciência, perseverança, boa-vontade, humildade, sinceridade, estudo e trabalho são fatores de extrema valia na educação mediúnica. (...)" (08).
"(...) Se o médium consegue transpor, valoroso, a faixa de hesitações pueris, entendendo que importa, acima de tudo, o bem a fazer, (...), passa, então, a ser objeto da confiança dos Benfeitores desencarnados que lhe aproveitam as capacidades no amparo aos semelhantes, dentro do qual assimila amparo a si mesmo.
Quanto mais se lhe acentuam o aperfeiçoamento e a abnegação, a cultura e o desinteresse, mais se lhe sutilizam os pensamentos, e, com isso, mais se lhe aguçam as percepções mediúnicas, que se elevam a maior demonstração de serviço, de acordo com as suas disposições individuais. (...)" (06)
Fora dessa compreensão, fica claro que "Todas as imperfeições morais são outras tantas portas abertas ao acesso dos maus Espíritos. A que, porem, eles exploram com mais habilidade é o orgulho, é a que a criatura menos confessa a si mesma. O orgulho tem perdido muitos médiuns dotados das mais belas faculdades e que, se não fora essa imperfeição, teriam podido tornar-se instrumentos notáveis e muito úteis, ao passo que, presas de Espíritos mentirosos, suas faculdades, depois de se haverem pervertido, aniquilaram-se e mais de um se viu humilhado por amaríssimas decepções. (...)" (02)
Concluímos, portanto, que "(...) O primeiro inimigo do médium reside dentro dele mesmo. freqüentemente é o personalismo, e a ambição, a ignorância ou a rebeldia no voluntário desconhecimento dos seus deveres a luz do Evangelho, fatores de inferioridade moral que, não raro, o conduzem a invigilância, à leviandade e à confusão dos campos improdutivos. (...)" (05)